Feeds:
Posts
Comentários

Muito prazer(…)

Não tem explicação, mas existe. Vou começar este desabafo assim. Peço ao senhor Deus do Universo que ilumine cada palavra  que  escreverei e agradeço por seu espírito nunca me abandonar, até mesmo quando eu faço por merecer.
Todos os dias, vou me deitar com medo de dormir. É muito estranho fechar os olhos e ter que esperar uma espécie de embarque para outra realidade.
Antes de pensar em deitar eu inicio um processo de cobranças e faço uma espécie de balanço diário para evitar que estes pensamentos apareçam no momento em que preciso relaxar.
Não sou uma pessoa que gosta de reclamar e muito menos gosto do papel de vítima. Simplesmente cansei de ficar observando, uma espécie de defesa incial minha.
No ano de 1984, mais precisamente no sétimo dia do mês de Novembro um fato mudou a vida de algumas pessoas que conheço.
Foi uma surpresa, mas era para ser. As coisas são assim, não há o que fazer.
Beleza, vou direto ao assunto, chega de enrolar, estou falando de mim. E, gosto de fazer isso. Esse é o primeiro segredo contado aqui.

O segundo segredo é que tenho vergonha de demonstrar aquilo que sinto, sei lá, tenho medo que as pessoas zombem da minha cara. Aliás tenho medo das pessoas e da minha cara.
Em mim existe algo complexo, pronto agora revelei o terceiro segredo, sou complexado. Vamos começar o diálogo com este nível de sinceridade para que a leitura não fique chata.
Tudo se resume em uma gaveta, que hoje foi revelada. Não foi por vontade própria, mas tive que finalmente fazer.
Vou contar outro segredo, eu sei o que tem nessa gaveta. Tudo o que nela está, foi deixado por mim, em vários momentos da minha vida, pedaços de coisas que fui armazenando para não perder. Novamente o medo, só que agora motivado pela perca.
Não quero mais falar sobre isso agora, vai na minha, tudo tem um por que.
Ok, neste exato momento, não paro de pensar na minha mãe. Me sinto culpado, tá tudo estranho agora. A dinâmica do tempo é outra.
Mas novamente, calma. Vou ter que fazer outra pausa para reflexão. Está tudo certo, enquanto existe ar no meus pulmões, eu fumo e assim caminham as coisas.
Não é a primeira vez que me pergunto o que estou fazendo aqui. Na verdade a minha grande batalha é tentar fazer e não pensar.
Isso sempre aconteceu, e esses dias cheguei à uma conclusão sobre isso. Levando em consideração a física quantica, a matemática pura e a anti-matéria, desenvolvi uma tese que ficou todo esse tempo guardado naquela tal gaveta, falada antes.
Não sei por que ‘cargas d’água’ estou fazendo isso, me sinto ridiculo e então apago tudo e começo novamente.
A partir de agora acabo de combinar algo comigo mesmo, se eu apagar o texto mais uma vez, irei parar por aqui e tentar encontrar outra forma de me expressar.
Agora vai, 3…2..1 valendo!
Essa teoria é sobre tudo aquilo que ninguém sabe explicar, ninguém mesmo, nem mesmo um mito.
Para resumir a resposta, farei uma pergunta!
Caralho, quem sou eu?
Bom, vamos lá. Vou usar um codinome, afinal prefiro não me identificar…
Primeiramente, tenho vergonha de tudo e de todos, desenvolvi uma espécie de pânico, tipo um trauma que me acompanha até agora.
Neste exato momento estou me sentindo culpado e não fiz nada. Tenho medo de ficar louco e por isso vou tomar uma cerveja e ver no que dá.
Sou algo simples, normal e previsível, que se defende com barreiras. Agora ficou simples de entender, vá…
Barreira 1
Barreira 2
Barreira 3
.
.
.
Assim como um efeito dominó, montei várias formas de bloquear as pessoas. Não consigo lidar com o limite das pessoas, vejo exatamente o que cada um é, e me sinto frustado por não conseguir fazer nada para ajudar. A lição que tirei disso tudo foi que não  serei mais pretencioso, tentando entender aquilo que não designado para mim.
Isso vale para todos os assuntos da minha vida, a real é que me isolei em um castelo no alto da colina com clima tenso. Não sou uma aberração, só tenho as mãos diferentes.
Já fui amigo da galera e agora estou invisível no chat.
Agradeço sua atenção, espero ter respondido todas as suas dúvidas, que na realidade, nunca existiram.
Escrevi isso para você, então leia…

A presidenta Dilma Rouseff convocou uma reunião extraordinária com todos os Ministérios para anunciar o novo chefe de polícia responsável pela segurança dos jogos Olimpicos e da Copa. O experiente oficial de polícia é americano, casado e curte samba.

Veja o vídeo de apresentação deste novo representante da paz e ordem nacional:

Com Axel Foley não há  com que se preocupar…. #rá

@felipefrisoni

1 – Fingir que Tic Tac é cápsula de remédio.

2 – Apostar corrida com o locutor da tele-sena no comercial falando os números sorteados.

3 – Desenhar um relógio no braço quando era criança.

4 – Tampar o ralo do chão do banheiro pra fazer uma piscininha.

5 – Comer Trident com papel porque “papel de Trident é comestível”.

6 – Fazer a proeza de enfiar o dedo no próprio olho sem querer.

7 – Ficar entortando aquele lápis verde, e quebrar.

8 – Apostar corrida de gotas na janela do carro quando tá chovendo.

9 – Sonhar que foi pra aula pelado, ou sem uma parte da roupa.

10 – Apagar tudo que estava escrevendo, quando vê que a outra pessoa está digitando alguma coisa no MSN.

11 – Tentar equilibrar o interruptor de luz no meio, entre aceso e apagado. (rsrs)

12 – Tirar uma nota melhor que o Nerd da sala sem ter estudado.

13 – Abrir uma nova guia na internet e esquecer o que ia fazer.

14 – Fingir que está fumando aqueles palitinhos salgados “Stiksy” da Elma Chips.

15 – Ficar mordendo o copo de plástico depois de beber o que tinha dentro, depois rasgar em várias tiras pra fazer um sol.

16 – Deixar sempre o volume do rádio/tv em um número redondo ou múltiplo de 5.

17 – Ficar com preguiça de colocar um rolo novo de papel higiênico no lugar e deixar ele solto na pia.

18 – Ficar desconfortável quando está assistindo TV ou um filme com os pais e começa uma cena de sexo.

19 – Falar mal de alguém para outra pessoa e descobrir que era um parente/amigo dela.

20 – Responder algo para alguém que está na sua frente e descobrir que a pessoa não estava falando com você

21 – Tirou o recheio de todas as Trakinas do pacote pra depois comer tudo de uma vez.

23 – Sentir a necessidade de apertar uma tecla sempre que passa perto de um teclado ou piano.

24 – Sonhar que está tentando correr e mesmo assim se mover vagarosamente.

25 – Desligar o plugin do MSN que mostra a música que você tá ouvindo para ouvir
musicas toscas escondido

26 – Gritar “Aeeeee” quando a luz acaba

27 – Quando era pequeno, fingir que estava dormindo quando chegava de carro em casa, pra ser levado no colo pra dentro.

29 – Abrir o freezer e ficar feliz ao ver o pote de sorvete, abrir e ver que é feijão congelado. (kkkk o melhor)

30 – Colocar caixinha vazia de Chiclets Adams/Clorets no dedo indicador

@felipefrisoni

Tô bebado!

Estava eu um pacato cidadão no meu lugar. Até que percebi que o lance depende de mim. Sou parte da sociedade, sou eu.

Aí veio uma peessoa e falou: – “Esse blog tem muita foto, imagem, é melhor texto”.

Então resolvi colocar “menas” fotos ou imagens neste blog.

O Dichavador está passando por mudanças drásticas, coisas que vão…  nem eu acredito.

Me censuraram… para aqueles que falaram que estava na pior –  diria a pessoa transgênica – Marilac:

Viva Las….não! Vivaaa Brasília – xxx

Imagine se o Brasil fosse um livro e que cada página fosse um ano da história deste país.

A primeira parte do livro seria uma época linda, cheia encantos, filosofias naturais, crenças em inúmeros deuses, tribos, índios e caciques.

Em um determinado momento aquele povo que vivia em paz fora invadido por “alienigenas” que vieram de Portugal e que trouxeram doenças, muambas, costumes religiosos e seduziram o inocente povo que morava aqui com novidades tecnológicas para a época.

Este foi o começo da era: “muito cacique pra pouco índio”.

Na verdade fomos dominados por esta cultura do consumo e da exploração. Com o passar dos anos inúmeros povos vieram para o Brasil trazendo um pouco de suas culturas, tornando o local essa mistura de cores, crenças e costumes.

Como não tenho paciência para livros grandes, vou pular algumas páginas e irei para o instante em que a história está acontecendo.

Neste momento o livro fala sobre ídolos do futebol, uma cultura rica e da possibilidade única de liderança mundial, mas aqui tudo tem um porém….

Nosso passado nos condena e este país está contaminado com o tal do “jeitinho brasileiro”. Algo que parece estar mudando a passos de tartaruga.

Gostaria de ser “Mãe Dináh” para prever as páginas seguintes do livro, como não sou consigo apenas supor. Um sentimento é latente de que a o futuro do país está reservado para poucos, para amigo ou parentes próximo do Sarney.

Estou exagerando, mas a política é algo que o povo não participa, parece não ter legitimidade por aqui.

O tal do Palocci e outros figuras como José Dirceu tornam o livro chamado Brasil uma poesia de boêmios, algo que vai do nada para lugar nenhum. Um verdadeiro porre que só sentimos o efeito da ressaca.

O futuro só Deus pertence, graças a Deus-Deus é brasileiro!

@felipefrisoni

Revolução na Espanha!!!

Vídeo promove o movimento da população espanhola contra a situação política do país. Acorda Brasil!!!

Imagem do dia!